Laboratório de Pesquisa com Animais Monogástricos

Responsável: Profa. Sandra Regina Freitas Pinheiro

Financiamento para edificação: FINEP

Este laboratório é dividido em duas salas e destina-se às pesquisas realizadas com codornas e frangos de corte. As salas são construídas em alvenaria, teto de laje em concreto e coberto por telhas de cerâmica. Possuem internamente duas pias e bancadas para lavagem de bebedouros e outros equipamentos e externamente duas torneiras. São providas de dois basculantes (esquadria de alumínio e vidro), sistema de ventilação por exaustor eólico instalado em 2 pontos e possuem três portas de alumínio. O prédio fica localizado em área de pouca circulação de carros e pedestres sendo que as aves não são expostas a excessos de ruídos e vibrações.

Neste local são realizados experimentos que avaliam as exigências nutricionais das aves e a digestibilidade de alimentos.

As codornas são alojadas em três baterias de gaiolas de arame galvanizado (60 cm largura x 60 cm comprimento x 35 cm de altura), equipadas com comedouros tipo calha e bebedouro tipo copo de pressão. Em cada gaiola é introduzido lâmpadas incandescentes para aquecimento das aves na fase inicial e dias frios. As salas possuem também duas baterias compostas por gaiolas para criação de pintos de corte, com capacidade total de criação de 500 pintos em cada, com 5 andares com capacidade para 100 pintos cada, o aquecimento é feito por campânulas de lâmpadas elétricas, bandejas coletoras de esterco, pisos telados, bebedouros e comedouros externos, laterais fechadas por grades aramadas (1,70 m altura x 80 cm largura x 1,55 comprimento). Possuem termômetros para medição de temperatura de máxima e mínima e umidade relativa do ar, que são monitorados no mínimo 2 vezes ao dia. A forma de identificação dos animais é feita por identificação da parcela experimental, com o uso de marcações nas gaiolas.

As pesquisas desenvolvidas no setor envolvem alunos de graduação e pós-graduação em Zootecnia, bem como professores doutores curso de Zootecnia e eventualmente um funcionário.

A água fornecida é tratada, sendo a mesma água que é fornecida para os demais prédios da Zootecnia. Não são utilizados nenhum material como cama, pois as aves são alojadas em gaiolas, no entanto, nos primeiros 30 dias as gaiolas são forradas com jornal para as codornas e 4 dias para pintinhos. O arraçoamento é realizado duas vezes ao dia, manhã e final da tarde. Diariamente todos os bebedouros são lavados e abastecidos com água.


Foto0367

Foto 1:


Foto0368

Foto 2:


Foto0450

Foto 3:


Foto0451

Foto 4:


Foto0477

Foto 5: